Walking Dead Comic tem uma última reviravolta para os fãs: está terminando

Parecia errado e contra a própria natureza desta série não tornar o final real tão surpreendente quanto todas as grandes mortes, escreveu Robert Kirkman.

A edição nº 193 da série de quadrinhos The Walking Dead será a última.

Os fãs da história em quadrinhos de The Walking Dead ficarão chocados: a edição mais recente, que chega na quarta-feira, é também a última.

Robert Kirkman, o criador e escritor de The Walking Dead, é conhecido por lançar surpresas a seus leitores, mas este é o maior - e provavelmente o último - para este quadrinho.



No mês passado, Kirkman chocou os fãs com a morte de Rick Grimes , que era o personagem principal desde a primeira edição publicada em outubro de 2003. E Kirkman já havia surpreendido lojas de quadrinhos no ano passado com cópias gratuitas dele Morra morra morra! Quadrinhos, que foi escrito com Scott M. Gimple. Na época, em um carta para varejistas , Kirkman disse que estava tentando recapturar a experiência de visitar uma loja de quadrinhos e não saber o que encontraria.

Mas surpresas como essa podem ser difíceis de realizar. Existe um mês catálogo de Distribuidores Diamond Comic que contém sinopses de quadrinhos programados para chegar nos próximos meses. (Há também vazamentos inevitáveis , quando os varejistas recebem seus quadrinhos um ou dois dias antes da data de venda na quarta-feira.) A descrição da edição, nº 193, dava a impressão de ser apenas mais um capítulo da série com notícias divulgadas no campo, problemas está fermentando para um certo alguém. Também houve descrições e capas falsas lançadas para as edições nº 194 e nº 195 de agosto e setembro, que agora sabemos que não serão lançadas.

As edições regulares de The Walking Dead, que é publicado pela Skybound, um selo da Image Comics, têm normalmente 32 páginas e um preço de capa de US $ 3,99. A edição nº 193 tem 84 páginas e - outra surpresa - está sendo vendida pelo mesmo preço. A história, que não será descrita aqui, é desenhada por Charlie Adlard.

A história em quadrinhos também contém um posfácio de seis páginas de Kirkman. Nele, ele escreve: Como fã, odeio quando percebo que estou no terceiro ato de um filme e a história está perdendo o fôlego. Odeio poder contar os intervalos comerciais e saber quando estou chegando ao fim de um programa de TV. Odeio quando você consegue sentir quando está chegando ao final de um livro ou de uma história em quadrinhos.

Parecia errado e contra a própria natureza desta série não tornar o final real tão surpreendente quanto todas as grandes mortes, acrescentou.